Pular para o conteúdo principal

À Mãe, Negra, Avó

A luz do outrora
Que renasce no amanhã,
Traz o brilho dessa força
Que só vi nessa manhã.
 
A força do braço de ferro
Braço cor de jambo
O mesmo que me ergue
É que do alto mostra
Sorriso de acalanto.
 
As marcas e expressões
Que por onde passam são reconhecidas
São o vigor da idade
De uma mulher que já deu à vida
Muitas vidas
E vidas.
 
E deve ser reconhecida
Num instante eterno
De magia
Agradecendo por inteiro
Dizendo :
- Obrigada, manegavó!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

D's

Dos viados adultos. Dos túneis, das pontes. As pontes aéreas.
Do carro, da carroça, a aeronave.  Do mar, o cerrado.
Da cor a cura. Da sombra a loucura. A paz, de neve, da pá na terra.
A sorte do dragão, do leão ao colchão, o tesão.  Do amor o riso.
Da graça sem graça. O bobo palhaço. De cara amassada. A vida armada, arreganhada, atropelada, arregaçada.
Furada.

. Real .

Volto a sentir a vida da maneira que me foi determinada. Mais uma vez sou vítima da intensidade. Ou talvez eu seja a única causa dela? O vazio toma conta do meu ser, E mais uma vez estou sozinha. Todo esse mix de sentimentos, Vazio, solidão, tristeza, saudade, Me é tão comum Que ainda não entendo o por quê De me surpreender. Tenho amor, Apenas falta de amor próprio. Pelo mundo daria minha vida, O desgosto é chegar a esse ponto e Descobrir que ninguém vale essa vida. Porque é minha, De mais ninguém. Se minha é, Amar-me-ei. Pois no fim Sempre digo a mim, Ninguém nunca te amará Como eu te amei.