Pular para o conteúdo principal

. Por que país dos poetas silenciados? .

Hoje em dia as pessoas não se importam mais com a arte, são poucas aquelas que enxergam a verdade, são poucas as que sentem a arte dentro de si. Além dos poetas, músicos, fotógrafos, cineastas, atores, pintores, escultores, enfim, verdadeiros artistas, são poucas as pessoas que veem a arte atrás da arte . São poucos aqueles que escutam o mundo em que vivem.
Acredito que as pessoas fecham os olhos para o mundo, fecham os olhos para as palavras, para a arte em geral e não concordo com isso. Não concordo com a mente fechada que a sociedade tem, com a vontade de as pessoas quererem ser individuais e únicas, acho isso completamente errado.
O mundo é um só, todos nós estamos nele, devemos viver em conjunto, ser felizes juntos, ouvir o mundo a nossa volta e não colocar um cabresto e seguir em linha reta. Temos que acreditar nas pessoas, acreditar na nossa capacidade de ser, de viver, de mudar.
Por isso vivemos no país dos poetas silenciados, porque os poetas querem falar, mas são proibidos, são cortados, censurados, não pela mídia, não pelo governo, essa época já passou, hoje em dia os poetas são silenciados pelos próprios poetas.
A partir do momento que cada poeta quer fazer a sua arte individual e ser único naquele momento, naquele lugar ele está silenciando outro, e assim por diante. Infelizmente nem eles percebem, infelizmente é assim que se vive hoje no Brasil, é assim que nós somos, esse é o povo brasileiro, esse é o ser humano, em pleno século XXI.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

D's

Dos viados adultos. Dos túneis, das pontes. As pontes aéreas.
Do carro, da carroça, a aeronave.  Do mar, o cerrado.
Da cor a cura. Da sombra a loucura. A paz, de neve, da pá na terra.
A sorte do dragão, do leão ao colchão, o tesão.  Do amor o riso.
Da graça sem graça. O bobo palhaço. De cara amassada. A vida armada, arreganhada, atropelada, arregaçada.
Furada.

. Real .

Volto a sentir a vida da maneira que me foi determinada. Mais uma vez sou vítima da intensidade. Ou talvez eu seja a única causa dela? O vazio toma conta do meu ser, E mais uma vez estou sozinha. Todo esse mix de sentimentos, Vazio, solidão, tristeza, saudade, Me é tão comum Que ainda não entendo o por quê De me surpreender. Tenho amor, Apenas falta de amor próprio. Pelo mundo daria minha vida, O desgosto é chegar a esse ponto e Descobrir que ninguém vale essa vida. Porque é minha, De mais ninguém. Se minha é, Amar-me-ei. Pois no fim Sempre digo a mim, Ninguém nunca te amará Como eu te amei.