Pular para o conteúdo principal

. Equívoco .

Por mais que estejamos juntos sinto como se fossemos dois estranhos.
Me prendo em seu olhar, mas é como se não olhasse para mim.
Algumas de suas palavras me ferem como um punhal cravado, direto no peito, rumo ao coração.
Suas ações não justificam o pesar das palavras.
Eu quero que o meu Leãozinho seja mais amável,
Quero que ele goste de mim de verdade
E que seja sincero com seus sentimentos.
Há quase nove meses juntos e ainda tenho medo de dizer “Eu te adoro!”, muito menos um “Eu te amo!”
Mesmo que pela primeira ou segunda vez seja real.
Muitas vezes sinto uma vontade desesperadora de chorar,
Chorar e nunca mais sair do quarto ou ver a luz do dia,
Pois, o que me dizes, tantas vezes insignificante para você,
É o que me faz pensar duas vezes antes de acreditar novamente no brilho dos seus olhos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

D's

Dos viados adultos. Dos túneis, das pontes. As pontes aéreas.
Do carro, da carroça, a aeronave.  Do mar, o cerrado.
Da cor a cura. Da sombra a loucura. A paz, de neve, da pá na terra.
A sorte do dragão, do leão ao colchão, o tesão.  Do amor o riso.
Da graça sem graça. O bobo palhaço. De cara amassada. A vida armada, arreganhada, atropelada, arregaçada.
Furada.

. Real .

Volto a sentir a vida da maneira que me foi determinada. Mais uma vez sou vítima da intensidade. Ou talvez eu seja a única causa dela? O vazio toma conta do meu ser, E mais uma vez estou sozinha. Todo esse mix de sentimentos, Vazio, solidão, tristeza, saudade, Me é tão comum Que ainda não entendo o por quê De me surpreender. Tenho amor, Apenas falta de amor próprio. Pelo mundo daria minha vida, O desgosto é chegar a esse ponto e Descobrir que ninguém vale essa vida. Porque é minha, De mais ninguém. Se minha é, Amar-me-ei. Pois no fim Sempre digo a mim, Ninguém nunca te amará Como eu te amei.