Pular para o conteúdo principal

P.01

Não me importam tuas palavras, sei como sou, assim sou. Nada me prenderá aqui. Tenho medo desse lugar, é frio, escuro e sujo onde ratos e baratas passeiam por meus pés. O vento traz a notícia, há lobos por perto. Deve haver comida em algum lugar.
As folhas, nas copas das árvores, conversam entre si, tentando me intimidar. Caminho até a beira de um pântano, meu corpo pede descanso, estou muito machucado. Há cortes em meu rosto, o sangue escorre junto ao suor, faço caretas de dor. Minhas panturrilhas estão esfoladas e  meus braços queimados, envoltos numa camada de barro, fezes e capim, ardem suplicando por água limpa. Sento-me, próximo ao pântano, sem movimentos bruscos. Ali mesmo cochilo.
Passaram-se 20 ou 30 minutos, não sei ao certo, não tenho relógio, mas o sol já se pôs. Acordei assustado, a fome me corrói, sinto meu estômago se desintegrar. Estou há tanto tempo aqui, comendo folhas e insetos, não tenho mais de onde tirar energia, estou mais magro que um fino graveto de pitangueira.
Éramos um grupo de 6, agora já nem sei mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

D's

Dos viados adultos. Dos túneis, das pontes. As pontes aéreas.
Do carro, da carroça, a aeronave.  Do mar, o cerrado.
Da cor a cura. Da sombra a loucura. A paz, de neve, da pá na terra.
A sorte do dragão, do leão ao colchão, o tesão.  Do amor o riso.
Da graça sem graça. O bobo palhaço. De cara amassada. A vida armada, arreganhada, atropelada, arregaçada.
Furada.

. Real .

Volto a sentir a vida da maneira que me foi determinada. Mais uma vez sou vítima da intensidade. Ou talvez eu seja a única causa dela? O vazio toma conta do meu ser, E mais uma vez estou sozinha. Todo esse mix de sentimentos, Vazio, solidão, tristeza, saudade, Me é tão comum Que ainda não entendo o por quê De me surpreender. Tenho amor, Apenas falta de amor próprio. Pelo mundo daria minha vida, O desgosto é chegar a esse ponto e Descobrir que ninguém vale essa vida. Porque é minha, De mais ninguém. Se minha é, Amar-me-ei. Pois no fim Sempre digo a mim, Ninguém nunca te amará Como eu te amei.