Pular para o conteúdo principal

P.01

Não me importam tuas palavras, sei como sou, assim sou. Nada me prenderá aqui. Tenho medo desse lugar, é frio, escuro e sujo onde ratos e baratas passeiam por meus pés. O vento traz a notícia, há lobos por perto. Deve haver comida em algum lugar.
As folhas, nas copas das árvores, conversam entre si, tentando me intimidar. Caminho até a beira de um pântano, meu corpo pede descanso, estou muito machucado. Há cortes em meu rosto, o sangue escorre junto ao suor, faço caretas de dor. Minhas panturrilhas estão esfoladas e  meus braços queimados, envoltos numa camada de barro, fezes e capim, ardem suplicando por água limpa. Sento-me, próximo ao pântano, sem movimentos bruscos. Ali mesmo cochilo.
Passaram-se 20 ou 30 minutos, não sei ao certo, não tenho relógio, mas o sol já se pôs. Acordei assustado, a fome me corrói, sinto meu estômago se desintegrar. Estou há tanto tempo aqui, comendo folhas e insetos, não tenho mais de onde tirar energia, estou mais magro que um fino graveto de pitangueira.
Éramos um grupo de 6, agora já nem sei mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

D's

Dos viados adultos. Dos túneis, das pontes. As pontes aéreas.
Do carro, da carroça, a aeronave.  Do mar, o cerrado.
Da cor a cura. Da sombra a loucura. A paz, de neve, da pá na terra.
A sorte do dragão, do leão ao colchão, o tesão.  Do amor o riso.
Da graça sem graça. O bobo palhaço. De cara amassada. A vida armada, arreganhada, atropelada, arregaçada.
Furada.

. ♥ .

Um coração apaixonado
por ti sofre em um abraço,
sem sonhos e inconsolável volta ao eterno descanso,
ele diz: -Aqui é o meu lugar, pois, longe não posso amar.

. Lembre .

Não se esqueça Quando beijá-la, O seu verdadeiro amor Não estará nos braços De quem lhe alcança, Mas sim Na lágrima da lembrança Daquela que não és capaz de tocar.