Pular para o conteúdo principal

. Ti .

Meu pequenino,
se soubesse como é ruim ficar assim,
sem seu cheiro,
sem seu olhar,
sem seu toque.

Lembro-me bem do calor de seu corpo,
do suor que nos atraía,
fazendo com que nos tornássemos um só.

Cada movimento,
cada batida de nossos corações,
aquela primeira lágrima que escorreu por meu rosto e caiu em tua boca.
Disseste-me que tinha gosto de amor doce,
sorriu e meu beijou como nunca.

Quando iria imaginar que suas carícias não passariam de uma brincadeira?
E depois ainda lhe procuro.
Uma enorme vontade de cuspí-lo sinto.
Ah, meus queridos Deuses do Olímpo, me ajudem!
Esse pequenino não me merece,
o meu ‘amor completo’ não me merece.
Quem há de merecer?

Que tragédia grega será a próxima encenada neste palco de minha vida?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

D's

Dos viados adultos. Dos túneis, das pontes. As pontes aéreas.
Do carro, da carroça, a aeronave.  Do mar, o cerrado.
Da cor a cura. Da sombra a loucura. A paz, de neve, da pá na terra.
A sorte do dragão, do leão ao colchão, o tesão.  Do amor o riso.
Da graça sem graça. O bobo palhaço. De cara amassada. A vida armada, arreganhada, atropelada, arregaçada.
Furada.

. Real .

Volto a sentir a vida da maneira que me foi determinada. Mais uma vez sou vítima da intensidade. Ou talvez eu seja a única causa dela? O vazio toma conta do meu ser, E mais uma vez estou sozinha. Todo esse mix de sentimentos, Vazio, solidão, tristeza, saudade, Me é tão comum Que ainda não entendo o por quê De me surpreender. Tenho amor, Apenas falta de amor próprio. Pelo mundo daria minha vida, O desgosto é chegar a esse ponto e Descobrir que ninguém vale essa vida. Porque é minha, De mais ninguém. Se minha é, Amar-me-ei. Pois no fim Sempre digo a mim, Ninguém nunca te amará Como eu te amei.