Pular para o conteúdo principal

. Tempo, esse devorador de coisas .

Saio na rua e vejo só o que passou, um mundo inteiro a minha frente, tantas coisas eu perdi, tantas histórias que se foram com uma simples ventania.
O hoje não é mais como o ontem e não parecerá com o amanhã. Então, agora te vejo, logo, não. “A morte é igual, falsa e verdadeira, mãe do início, avó do fim, que seja a morte o fim da esperança, a morte é o beijo que ficou sem graça, é a velha que já não dança.”
Assim disse Oswaldo aos que pensavam saber muito da vida, aquela dona de si, os que a respeitam tem chances, mas nunca poder.Só há um método para “segurá-la”, o tempo, esse devorador de coisas é o único capaz de moldar o que se parece imutável.Ele tira e permite vivermos, o dono da verdade, serei tua amiga daqui até a eternidade.
Tragam os rojões! Hoje houve nascimento. Armem as fogueiras! Amanhã haverá falecimento. Nada é de graça nesta vida, o tempo oferece, o tempo quer em troca. Se você acha que ele não é capaz, acredite, nada é impossível para o mestre das horas.
Pode tornar-se o dono de tua alma, e nunca mais serás feliz, ou, pode esquecê-la, te deixando para sempre infeliz. Cada letra deste texto, quando lidas são segundos a menos em sua vida. Junte todas, jogue no lixo, menos tempo perdido, não, quem se perde não é o tempo, mas as palavras que o rodeiam, tudo depende dele e ele de nada depende.
Mas dele posso tirar o que considera mais valioso, tire-me a vida, lance-me ao infinito, me perca na escuridão da luz, me gele no fogo, tempo, devore meus sonhos, roube meus sentimentos e eu irei lhe poupar o ‘tic-tac’ da hora, para que nunca mais valse.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

D's

Dos viados adultos. Dos túneis, das pontes. As pontes aéreas.
Do carro, da carroça, a aeronave.  Do mar, o cerrado.
Da cor a cura. Da sombra a loucura. A paz, de neve, da pá na terra.
A sorte do dragão, do leão ao colchão, o tesão.  Do amor o riso.
Da graça sem graça. O bobo palhaço. De cara amassada. A vida armada, arreganhada, atropelada, arregaçada.
Furada.

Donde jugarán los niños?

Uma banda mexicana chamada Maná, há poucos anos, lançou uma música chamada “Donde jugaran los niños?”, em que o tema refere-se a inocência que não existe mais. As crianças para construírem sua personalidade, se inspiram em exemplos próximos como a família, amigos da escola e figuras criadas, constantemente pela mídia, chamadas ‘heróis’. Se essas criações realmente existem não se sabe, mas elas estão em todos os lugares, a qualquer momento. Ao lermos os quadrinhos do tempo de nossos pais, observamos que os heróis são aqueles os quais utilizam cuecas por cima das calças, aqueles com superpoderes e amor à humanidade. Enquanto os pequeninos da década de 1970 preocupavam-se em brincar de voar, pulando das árvores no fundo do quintal de casa, os do século XXI continuam a voar, mas sem trabalhar a mente ou os músculos, assistindo fúteis heróis que se transformam em super máquinas ou jogando video games, trancados no 27º andar de um belo arranha céu espelhado no centro de uma metrópole. O que ess…

. Lembre .

Não se esqueça Quando beijá-la, O seu verdadeiro amor Não estará nos braços De quem lhe alcança, Mas sim Na lágrima da lembrança Daquela que não és capaz de tocar.