Pular para o conteúdo principal

. Varanda .

Sentada na varanda, quantas vezes na vida já vi o pôr do sol sem pensar no amanhecer? Observo tudo o que há de mais belo, o azul do oceano se misturando com o laranja quase vermelho do sol. A melhor parte de mim está aqui, nesse lugar. Dante o chamaria de Paraíso, mas esse parece um nome tão utópico, prefiro não dar nomes.

Subo nas pedras, sento em frente ao mar, sinto a brisa despentear meus cabelos, aqui sou só. Sem ninguém. Apenas eu. No mundo que criei. Meu mundo, onde os peixes voam e aves mergulham, tudo é como cavalo marinho, honesto e leal.

Aqui não existem problemas, as estrelas iluminam a areia, que por sua vez refletem a luz estrelar, a festa começa. Coqueiros e palmeiras brincam de esconde-esconde e siris dançam ciranda. Tudo é bom, todos são legais. Só há diversão.

Então, existe o que imagino, o que quero. É o meu lugar. Deito na cama, os bem-te-vis me cobrem, o canário amarelo assobia canções de ninar e as formigas preparam o próximo café.

Meu mundo, só meu. Sou egoísta e serei até não poder mais, me expulsaram de reinos alheios, mas esse é meu. Quem quiser entrar que peça por favor e com licença. Todos podem participar, mas agora esse é meu lugar.

Vamos compartilhar o luar, nosso melhor amigo, da varanda que vimos o sol se transformar em lua, ela sorri, contente por banhar seus amigos. Ficaremos brancos como a neve.

Agora não vou mais embora, quero ficar. Esse é o meu mundo. Meu mundo. Lugar onde sou feliz e nada mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

D's

Dos viados adultos. Dos túneis, das pontes. As pontes aéreas.
Do carro, da carroça, a aeronave.  Do mar, o cerrado.
Da cor a cura. Da sombra a loucura. A paz, de neve, da pá na terra.
A sorte do dragão, do leão ao colchão, o tesão.  Do amor o riso.
Da graça sem graça. O bobo palhaço. De cara amassada. A vida armada, arreganhada, atropelada, arregaçada.
Furada.

Donde jugarán los niños?

Uma banda mexicana chamada Maná, há poucos anos, lançou uma música chamada “Donde jugaran los niños?”, em que o tema refere-se a inocência que não existe mais. As crianças para construírem sua personalidade, se inspiram em exemplos próximos como a família, amigos da escola e figuras criadas, constantemente pela mídia, chamadas ‘heróis’. Se essas criações realmente existem não se sabe, mas elas estão em todos os lugares, a qualquer momento. Ao lermos os quadrinhos do tempo de nossos pais, observamos que os heróis são aqueles os quais utilizam cuecas por cima das calças, aqueles com superpoderes e amor à humanidade. Enquanto os pequeninos da década de 1970 preocupavam-se em brincar de voar, pulando das árvores no fundo do quintal de casa, os do século XXI continuam a voar, mas sem trabalhar a mente ou os músculos, assistindo fúteis heróis que se transformam em super máquinas ou jogando video games, trancados no 27º andar de um belo arranha céu espelhado no centro de uma metrópole. O que ess…

. Lembre .

Não se esqueça Quando beijá-la, O seu verdadeiro amor Não estará nos braços De quem lhe alcança, Mas sim Na lágrima da lembrança Daquela que não és capaz de tocar.