Pular para o conteúdo principal

. Varanda .

Sentada na varanda, quantas vezes na vida já vi o pôr do sol sem pensar no amanhecer? Observo tudo o que há de mais belo, o azul do oceano se misturando com o laranja quase vermelho do sol. A melhor parte de mim está aqui, nesse lugar. Dante o chamaria de Paraíso, mas esse parece um nome tão utópico, prefiro não dar nomes.

Subo nas pedras, sento em frente ao mar, sinto a brisa despentear meus cabelos, aqui sou só. Sem ninguém. Apenas eu. No mundo que criei. Meu mundo, onde os peixes voam e aves mergulham, tudo é como cavalo marinho, honesto e leal.

Aqui não existem problemas, as estrelas iluminam a areia, que por sua vez refletem a luz estrelar, a festa começa. Coqueiros e palmeiras brincam de esconde-esconde e siris dançam ciranda. Tudo é bom, todos são legais. Só há diversão.

Então, existe o que imagino, o que quero. É o meu lugar. Deito na cama, os bem-te-vis me cobrem, o canário amarelo assobia canções de ninar e as formigas preparam o próximo café.

Meu mundo, só meu. Sou egoísta e serei até não poder mais, me expulsaram de reinos alheios, mas esse é meu. Quem quiser entrar que peça por favor e com licença. Todos podem participar, mas agora esse é meu lugar.

Vamos compartilhar o luar, nosso melhor amigo, da varanda que vimos o sol se transformar em lua, ela sorri, contente por banhar seus amigos. Ficaremos brancos como a neve.

Agora não vou mais embora, quero ficar. Esse é o meu mundo. Meu mundo. Lugar onde sou feliz e nada mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

D's

Dos viados adultos. Dos túneis, das pontes. As pontes aéreas.
Do carro, da carroça, a aeronave.  Do mar, o cerrado.
Da cor a cura. Da sombra a loucura. A paz, de neve, da pá na terra.
A sorte do dragão, do leão ao colchão, o tesão.  Do amor o riso.
Da graça sem graça. O bobo palhaço. De cara amassada. A vida armada, arreganhada, atropelada, arregaçada.
Furada.

. Real .

Volto a sentir a vida da maneira que me foi determinada. Mais uma vez sou vítima da intensidade. Ou talvez eu seja a única causa dela? O vazio toma conta do meu ser, E mais uma vez estou sozinha. Todo esse mix de sentimentos, Vazio, solidão, tristeza, saudade, Me é tão comum Que ainda não entendo o por quê De me surpreender. Tenho amor, Apenas falta de amor próprio. Pelo mundo daria minha vida, O desgosto é chegar a esse ponto e Descobrir que ninguém vale essa vida. Porque é minha, De mais ninguém. Se minha é, Amar-me-ei. Pois no fim Sempre digo a mim, Ninguém nunca te amará Como eu te amei.