Pular para o conteúdo principal

. Silêncio .

Se meus olhos refletissem
O brilho dessa dor
Que assombra meu coração,
Perturbado pelo frio
Da noite solitária,
Inundado pelas lágrimas
Trazidas por palavras.
Palavras soltas
De bocas desconhecidas,
De pessoas irreconhecíveis,
De vozes mal ouvidas.
Se eu pudesse lembrar
A face retorcida
Pela chama vermelha
Na sombra do azul.
Água escorrendo,
Paredes de tijolos,
Gás e fumaça
Inalados sem licença.
A dor que não permite falas,
Que não permite sorrisos.
Hoje choro em silêncio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

D's

Dos viados adultos. Dos túneis, das pontes. As pontes aéreas.
Do carro, da carroça, a aeronave.  Do mar, o cerrado.
Da cor a cura. Da sombra a loucura. A paz, de neve, da pá na terra.
A sorte do dragão, do leão ao colchão, o tesão.  Do amor o riso.
Da graça sem graça. O bobo palhaço. De cara amassada. A vida armada, arreganhada, atropelada, arregaçada.
Furada.

Donde jugarán los niños?

Uma banda mexicana chamada Maná, há poucos anos, lançou uma música chamada “Donde jugaran los niños?”, em que o tema refere-se a inocência que não existe mais. As crianças para construírem sua personalidade, se inspiram em exemplos próximos como a família, amigos da escola e figuras criadas, constantemente pela mídia, chamadas ‘heróis’. Se essas criações realmente existem não se sabe, mas elas estão em todos os lugares, a qualquer momento. Ao lermos os quadrinhos do tempo de nossos pais, observamos que os heróis são aqueles os quais utilizam cuecas por cima das calças, aqueles com superpoderes e amor à humanidade. Enquanto os pequeninos da década de 1970 preocupavam-se em brincar de voar, pulando das árvores no fundo do quintal de casa, os do século XXI continuam a voar, mas sem trabalhar a mente ou os músculos, assistindo fúteis heróis que se transformam em super máquinas ou jogando video games, trancados no 27º andar de um belo arranha céu espelhado no centro de uma metrópole. O que ess…

. Lembre .

Não se esqueça Quando beijá-la, O seu verdadeiro amor Não estará nos braços De quem lhe alcança, Mas sim Na lágrima da lembrança Daquela que não és capaz de tocar.