Pular para o conteúdo principal

. Silêncio .

Se meus olhos refletissem
O brilho dessa dor
Que assombra meu coração,
Perturbado pelo frio
Da noite solitária,
Inundado pelas lágrimas
Trazidas por palavras.
Palavras soltas
De bocas desconhecidas,
De pessoas irreconhecíveis,
De vozes mal ouvidas.
Se eu pudesse lembrar
A face retorcida
Pela chama vermelha
Na sombra do azul.
Água escorrendo,
Paredes de tijolos,
Gás e fumaça
Inalados sem licença.
A dor que não permite falas,
Que não permite sorrisos.
Hoje choro em silêncio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

D's

Dos viados adultos. Dos túneis, das pontes. As pontes aéreas.
Do carro, da carroça, a aeronave.  Do mar, o cerrado.
Da cor a cura. Da sombra a loucura. A paz, de neve, da pá na terra.
A sorte do dragão, do leão ao colchão, o tesão.  Do amor o riso.
Da graça sem graça. O bobo palhaço. De cara amassada. A vida armada, arreganhada, atropelada, arregaçada.
Furada.

. Real .

Volto a sentir a vida da maneira que me foi determinada. Mais uma vez sou vítima da intensidade. Ou talvez eu seja a única causa dela? O vazio toma conta do meu ser, E mais uma vez estou sozinha. Todo esse mix de sentimentos, Vazio, solidão, tristeza, saudade, Me é tão comum Que ainda não entendo o por quê De me surpreender. Tenho amor, Apenas falta de amor próprio. Pelo mundo daria minha vida, O desgosto é chegar a esse ponto e Descobrir que ninguém vale essa vida. Porque é minha, De mais ninguém. Se minha é, Amar-me-ei. Pois no fim Sempre digo a mim, Ninguém nunca te amará Como eu te amei.