Pular para o conteúdo principal

. Passando .

Em poucos dias completo mais um ano de vida
e hoje paro para pensar nos muitos poucos anos que vivi.
Lembro do que pensava, do que falava, das coisas que queria.
A roupa largada, o cabelo emaranhado.
As músicas da época, as danças desengonçadas.
Os amigos para sempre, as almas gêmeas da estação.
*Não costumo postar palavras que não pertençam a mim,
mas nesse dia em especial acredito ser válida a publicação em meu blog
de um dos meu ‘heróis’ da música brasileira, com uma das músicas de seu novo disco “De Passagem”.
Então passando pelos bosques da vida,
encarando claridade e escuridão,
a música abaixo é para aqueles que fazem parte
do meu mundo,
para os que foram,
para os que estão,
para os que vão
e aqueles que ainda virão.
Aos amigos da questão, dedico:
Velhos Amigos
Oswaldo Montenegro
Velhos amigos vão sempre se encontrar
Seja onde for, seja em qualquer lugar
O mundo é pequeno, o tempo é invenção
Que o amor desfaz na tua mãoNada passou, nada ficará
Nada se perde, nada vai se achar
Põe nosso nome na planta do jardim
Vivo em você e você dorme em mim
E quando eu olho pro imenso azul do mar
Ouço teu riso e penso: onde é que está?
A nossa planta o vento não desfez
É nunca mais, mas é mais uma vez

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

D's

Dos viados adultos. Dos túneis, das pontes. As pontes aéreas.
Do carro, da carroça, a aeronave.  Do mar, o cerrado.
Da cor a cura. Da sombra a loucura. A paz, de neve, da pá na terra.
A sorte do dragão, do leão ao colchão, o tesão.  Do amor o riso.
Da graça sem graça. O bobo palhaço. De cara amassada. A vida armada, arreganhada, atropelada, arregaçada.
Furada.

. ♥ .

Um coração apaixonado
por ti sofre em um abraço,
sem sonhos e inconsolável volta ao eterno descanso,
ele diz: -Aqui é o meu lugar, pois, longe não posso amar.

Donde jugarán los niños?

Uma banda mexicana chamada Maná, há poucos anos, lançou uma música chamada “Donde jugaran los niños?”, em que o tema refere-se a inocência que não existe mais. As crianças para construírem sua personalidade, se inspiram em exemplos próximos como a família, amigos da escola e figuras criadas, constantemente pela mídia, chamadas ‘heróis’. Se essas criações realmente existem não se sabe, mas elas estão em todos os lugares, a qualquer momento. Ao lermos os quadrinhos do tempo de nossos pais, observamos que os heróis são aqueles os quais utilizam cuecas por cima das calças, aqueles com superpoderes e amor à humanidade. Enquanto os pequeninos da década de 1970 preocupavam-se em brincar de voar, pulando das árvores no fundo do quintal de casa, os do século XXI continuam a voar, mas sem trabalhar a mente ou os músculos, assistindo fúteis heróis que se transformam em super máquinas ou jogando video games, trancados no 27º andar de um belo arranha céu espelhado no centro de uma metrópole. O que ess…