Pular para o conteúdo principal

Escolher o nome para um blog pessoal não é nada fácil, principalmente quando este trata-se de momentos tão meus, que serão divididos agora com meus leitores.Sattagydia era uma província pertencente ao Império Persa Aquemenida, foi conquistada no século VI antes de Cristo, por Ciro II, no período helenístico, hoje se localizaria no atual Afeganistão.

E o que isso tem a ver comigo? Aparentemente nada. Após séculos de guerras e calmaria, um homem chamado Hanna Youssef Badaüí Bittar foge de sua terra natal para salvar sua família da Primeira Guerra Mundial.

Passando pela França e Espanha, chega a Portugal onde se naturaliza lusitano e ‘traduz’ seu nome para João José da Silva, em tempos difíceis mais uma viagem faz, desta vez para o Brasil, onde fica até sua morte. Esse era o meu bisavô. Daí vem o meu vínculo com a tal Sattagydia.

Esse não é apenas um nome qualquer, e sim a lembrança de dor e sofrimento, mas como nem tudo é tão triste, em decorrencia de tais acontecimentos me interessei por história, em consequência de tal descobri o gosto pela leitura, logo depois pela escrita. E aqui estou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

D's

Dos viados adultos. Dos túneis, das pontes. As pontes aéreas.
Do carro, da carroça, a aeronave.  Do mar, o cerrado.
Da cor a cura. Da sombra a loucura. A paz, de neve, da pá na terra.
A sorte do dragão, do leão ao colchão, o tesão.  Do amor o riso.
Da graça sem graça. O bobo palhaço. De cara amassada. A vida armada, arreganhada, atropelada, arregaçada.
Furada.

. Real .

Volto a sentir a vida da maneira que me foi determinada. Mais uma vez sou vítima da intensidade. Ou talvez eu seja a única causa dela? O vazio toma conta do meu ser, E mais uma vez estou sozinha. Todo esse mix de sentimentos, Vazio, solidão, tristeza, saudade, Me é tão comum Que ainda não entendo o por quê De me surpreender. Tenho amor, Apenas falta de amor próprio. Pelo mundo daria minha vida, O desgosto é chegar a esse ponto e Descobrir que ninguém vale essa vida. Porque é minha, De mais ninguém. Se minha é, Amar-me-ei. Pois no fim Sempre digo a mim, Ninguém nunca te amará Como eu te amei.