Pular para o conteúdo principal

. Noite Fria .

Fiquei pensando em nós dois, a noite foi longa, triste e inquieta, meu coração pulsava forte, a dúvida da decisão tomada se arrastava pelas horas. O vento voraz trazia a tempestade, tentava entrar em meu quarto, querendo escutar meus pensamentos. Os raios constantes banhavam o teto com um manto de luzes traçando única dança.
Seus olhos acinzentados, junto às lágrimas de tardes anteriores, me mostravam que cada beijo próximo valeria a pena, nenhum abraço seria demais enquanto estivéssemos lado a lado. Mas não estávamos. A chuva que cortava o céu fingia ser lâmina afiada, pronta para cortar meu peito. Minha cabeça latejava, dor, muita dor.
Algo estava errado, eu tinha certeza, só não queria acreditar. O telefone tocou, num súbto salto parei em frente a ele, hesitei. Desejava que fosse você, alguém com quem eu queria conversar a noite toda, mas temi que notícias ruins inundassem meus ouvidos, assim como a chuva fazia com a rua mal feita do outro lado da janela de vidro.
Ao atender fiquei muda, havia muito barulho na outra linha, prestei mais atenção do que de costume, ouvi, inspiração, expiração, suave. Meu coração gelou – Alô? – Não houve resposta. Silêncio. Não podia ser você, seria apenas uma brincadeira boba? Esperava que não fosse. Pelo menos não na situação na qual estava.
Mais uma vez, inspiração, expiração, a última vez, veio seguida de um barulho alto, como uma pancada, o aparelho telefônico caiu, a ligação terminou. ainda estática quase acreditei, só podia ser piada. Ainda assim, algo estava errado. Retomei meus pensamentos sem a concentração de antes.
Deveria te ligar? Não poderia ser você naquela ligação. Me sentei na cama, os quadros que você pintou, me observavam, comecei a ficar aflita. Te procurar, foi o que resolvi fazer, sair para te procurar. Levantei, andei em direção ao guarda-roupas, escolhi o vestido mais bonito, discreto, preto, um chapéu adequado e os sapatos mais caros, cabelos soltos, longos, até a altura da cintura, cor de mel perfeitamente ondulado.
Deixei o carro, fui a pé, sempre gostei de caminhar a noite. Mas dessa vez era por outro motivo, você. Eu necessitava te encontrar, eu precisava, estava ficando desesperada, tão desesperada que não percebi que nunca iria te encontrar, porque você sempre esteve aqui, ao meu lado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

D's

Dos viados adultos. Dos túneis, das pontes. As pontes aéreas.
Do carro, da carroça, a aeronave.  Do mar, o cerrado.
Da cor a cura. Da sombra a loucura. A paz, de neve, da pá na terra.
A sorte do dragão, do leão ao colchão, o tesão.  Do amor o riso.
Da graça sem graça. O bobo palhaço. De cara amassada. A vida armada, arreganhada, atropelada, arregaçada.
Furada.

Donde jugarán los niños?

Uma banda mexicana chamada Maná, há poucos anos, lançou uma música chamada “Donde jugaran los niños?”, em que o tema refere-se a inocência que não existe mais. As crianças para construírem sua personalidade, se inspiram em exemplos próximos como a família, amigos da escola e figuras criadas, constantemente pela mídia, chamadas ‘heróis’. Se essas criações realmente existem não se sabe, mas elas estão em todos os lugares, a qualquer momento. Ao lermos os quadrinhos do tempo de nossos pais, observamos que os heróis são aqueles os quais utilizam cuecas por cima das calças, aqueles com superpoderes e amor à humanidade. Enquanto os pequeninos da década de 1970 preocupavam-se em brincar de voar, pulando das árvores no fundo do quintal de casa, os do século XXI continuam a voar, mas sem trabalhar a mente ou os músculos, assistindo fúteis heróis que se transformam em super máquinas ou jogando video games, trancados no 27º andar de um belo arranha céu espelhado no centro de uma metrópole. O que ess…

. Lembre .

Não se esqueça Quando beijá-la, O seu verdadeiro amor Não estará nos braços De quem lhe alcança, Mas sim Na lágrima da lembrança Daquela que não és capaz de tocar.